03/10/2013

Zoológico Municipal de Guaíra é atração para crianças, jovens e adultos

Início - DESTACAR - Zoológico Municipal de Guaíra é atração para crianças, jovens e adultos

Compartilhar

zoo-3Fundado em 18 de Maio de 1958, o Zoológico Municipal está presente em Guaíra há mais meio século

 

Guaíra é o único Município da Região a possuir um Zoológico, o mais próximo está em Ribeirão Preto; ele recebe geralmente animais capturados pelo tráfico, em queimadas de cana e animais atropelados em rodovias, sendo que, só é permitido receber animais de órgãos como Polícia Ambiental, Federal e Municipal.

Todos os bichos que chegam são registrados por laudo e ficam em observação (se preciso tratamento) para posteriormente ser decidido seu destino, pois o mesmo poderá ser reintegrado ao meio ambiente ou se não tendo condições, permanece no Zoo do Município ou poderá ainda ser destinado a outro.

No momento 231 animais divididos em 35 espécies habitam o local, sendo 20 espécies de aves, 10 de mamíferos e 5 de répteis; dentre as aves podemos destacar Arara Vermelha e Canindé, nos mamíferos Suçuarana e Lobo Guará e Répteis o Jaboti e Lagarto Teiú.

O Zoológico Joaquim Garcia Franco, também conhecido como Bosque Municipal tem em sua reserva 33 espécies diferentes de árvores, como a Sete Copas, Sibipiruna, Flamboyant, Fícus, Ipê de Jardim, Ipê Verdadeiro, Pata de Vaca, Azaléia, Urucun, entre outras.

A visitação varia entre 2.000 a 3.000 pessoas por mês, e para manter toda a estrutura necessária para os animais que ali vivem possibilitando a visitação, o Zoo conta com um quadro de 12 funcionários e recebe o auxílio de funcionários temporários vindos das Frentes de Trabalho Municipal e Estadual.

Os funcionários são muito importantes, pois, cada um em sua função, seu setor, são os olhos, braços e pernas deste ZOO, para que ele funcione corretamente e que assim todos os visitantes sejam bem recebidos e retornem sempre.

 

 

Alimentação

A Alimentação dos animais tem uma dieta pré-estabelecida; nela atuam os funcionários treinados que higienizam, cortam e pesam os itens alimentares que compõem as bandejas das diversas espécies, tentando ao máximo igualar a dieta de um animal livre, fazendo com que não haja um sobrepeso ou subnutrição

O Setor prepara as bandejas, as quais são cuidadosamente distribuídas, pois há animais que ficam em grupos e a dieta é compartilhada. A quantidade é adequada ao número de indivíduos que permanecem juntos, assim evitam-se as disputas por alimentação e tem-se a certeza de que todos estão se alimentando.

Conforme relação abaixo, esta área foi subdividida em oito bancadas, especializadas, de acordo com as diversas necessidades nutricionais, para maximizar o potencial de preparo e manter a qualidade e o equilíbrio nutricional das dietas. Após cada refeição as bandejas são retiradas e higienizadas evitando contaminações.

 

Bancadas

 

Animais carnívoros: dietas ricas em proteína animal: pescados, músculo e coração bovino; pernil, carne de aves e ovos cozidos. Ex: canídeos, felídeos.

Animais herbívoros: dietas com base em proteína vegetal, provenientes da grande diversidade de frutas, verduras e legumes, que são oferecidas com as rações. Ex: elefantes, cervos.

Aves: dietas para aves, com hábitos alimentares e formato de bicos variados, como catadoras, filtradoras, carnívoras e frugívoras.

Primatas: dietas oferecidas aos macacos de médio ou pequeno porte. Geralmente, a base é de frutas, verduras e legumes. Recebe complementação de grãos, sementes, ovos cozidos e em alguns casos carne cozida.

Répteis: esta bancada é especial, não funciona todos os dias, pois estes animais possuem um metabolismo bem diferente das aves e mamíferos. São eles: as tartarugas, os lagartos e os jacarés.

Dietas Especiais: entre os animais, sempre existem aqueles que possuem uma dieta diferenciada, como micos, tamanduás e araras azuis, ou ainda aqueles que estão em tratamento veterinário. A dieta destes animais é especialmente balanceada para suas necessidades específicas.

Além disso, existem as dietas que passam por alterações e que estão sendo avaliadas quanto ao seu aproveitamento pelo animal.

É priorizado também o enriquecimento ambiental desses recintos, fazendo com que estes animais não percam totalmente seus instintos naturais, para algumas práticas são utilizadas como esconder alimentos, fornecer presas vivas, despertar os sentidos, como olfato, entre outros.

O enriquecimento social é preservado, para tanto, acontece a interação colocando-se mais de uma espécie em um mesmo ambiente.

 

Agradecimentos pela colaboração a Diretora do Zoológico Dra. Lessiana Freitas e a Bióloga Ana Paula Chaves

 

Deixe seu comentário.